Para a sua segunda-feira:

Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer antes que o relógio marque meia noite.
É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje.
Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por levarem a poluição.
Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças evitando desperdício.
Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por estar vivo.
Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que queria ou posso ser grato por ter nascido.
Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalhado.
Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus.
Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades.
Se as coisas não saírem como planejei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar.
O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser.
E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma.
Tudo depende de mim.
Charles Chaplin

Quinta interminável.

Sobre folhas e raízes.

Você pode até achar o cúmulo da má-vontade com a cidade, mas toda vez (tooodo dia, melhor dizendo) que saio de casa, me armo com meu mp3 nos ouvidos, e sigo em frente, sem nem olhar – muito – para os lados.

E, olhando, observando…acabei encontrando mais uma coisa que gosto daqui.

Árvores.

E elas estão por toda parte, de todos os tamanhos, formas, cores, tons e matizes.

Servindo de refúgio para um João-de-Barro anti-social;

explodindo de cor, contrastando com o céu.

E tem de tudo mesmo:

pé de mamão no quarteirão de baixo,

jabuticabeira no quintal do vizinho,

pé de cacau no caminho (Cacauzeiro? É isso?),

fazendo das calçadas um tapete natural.

Até a mais torta é cheia de personalidade.

Taí; as árvores daqui também são legais.

Vida nas ruas.

Além dos cachorros, claro.

Começou bem.

Abro o blog para dar uma olhada nos meus favoritos e…

:o

Cadê a foto do cabeçalho? Que imagem de folha com orvalho é essa??

Cadê meus favoritos,  meus links e etecéteras???

Fuço daqui, mexo dali, e descubro que o WordPress cancelou o template que eu (e mais um porrilhão de pessoas) usava, e substituiu por esse da folhinha…muito bom.

Fuço mais, mexo mais, e não tem jeito. Tive que começar tudo do zero.

E pensar que mudei de provedor porquê não estava satisfeito com o visual do outro…enfim.

Não tá do jeito que eu queria, mas vamo-que-vamo.

Fiquei puto.

(Como se adiantasse alguma coisa.)

- Que confusão, hein, tio?

Clips

- Um (escreva sua ofensa preferida aqui) me pede para colocar “uma música de Papai” como fundo em um comercial de rádio. Se fosse meu pai, seria Maysa. Se fosse eu o Papai, colocaria Ramones. Que catso é uma “música de Papai” ??? Pfff…

- Vontade do dia acabar logo e ir para casa brincar com minhas cachorras. Só isso. Danem-se as contas, as coisas a consertar, os incêndios, as urgências, o fulano-disse-isso-e-eu-falei-aquilo, e aquela montanha intransponível de etecéteras. Só ficar sentado observando-as, e afagando suas cabecinhas.

- Não, eu não larguei o blog. Ponto. Mais e melhores explicações outro dia, quando a poeira baixar e a raiva passar.

- Frase bem legal que li em um blog hoje: “Ainda bem que eu já fiz as pazes com minhas limitações.” Me deu o que pensar.

- Não negocio com terroristas. Chega.

Enquanto isso, aqui no blog…

Só Mumm-Rá salva!

O autor, ao fim desta semana.

Semana de mudanças, eis o saldo:

  • Hematomas diversos, em diversos locais do corpo.
  • Um choque elétrico com uma furadeira.
  • Perfurações mínimas – e doloridas pra caray – em ambas as mãos.
  • Martelada no dedão, uma.
  • Topada no dedão do pé com um rodo, uma.
  • Queda de uma escada de dois (!?!) degraus, e imediatamente posterior impacto com o retrovisor do carro.
  • Cabeçada em um armário de alvenaria.
  • Cabeçada (daquelas de perder o equilíbrio, o rumo e a graça), com a porta do carro.
  • Um quintal em chamas. Nem pergunte como.
  • Dores: nas costas, nos braços, no pescoço, nas pernas, nos pés, etecéteras.
  • Irritação com a péssima qualidade de serviços oferecida nessa cidade.
  • Noites mal-dormidas: todas.

E ainda não acabou.